domingo, 8 de novembro de 2009

Mestres da poesia!

O mestre Manoel Xudú







O mar se orgulha por ser vigoroso
Forte e gigantesco que nada lhe imita
Se ergue, se abaixa, se move se agita
Parece um dragão feroz e raivoso
É verde, azulado, sereno, espumoso
Se espalha na terra, quer subir pra o ar
Se sacode todo querendo voar
Retumba, ribomba, peneira e balança
Não sangra, não seca, não para e nem cansa
São esses os fenômenos da beira do mar.

O próprio coqueiro se sente orgulhoso
Porque nasce e cresce na beira da praia
No tronco a areia da cor de cambraia
Seu caule enrugado, nervudo e fibroso
Se o vento não sopra é silencioso
Nem sequer a fronde se ver balançar
Porém se o vento com força soprar
A fronde estremece perde toda calma
As folhas se agitam, tremem e batem palma
Pedindo silêncio na beira do mar

Não há tempestades e nem furacões
Chuvadas de pedras num bosque esquisito
Quedas coriscos ou aerólito
Tiros de granadas de obuses canhões
Juntando os ribombos de muitos trovões
Que tem pipocado na massa do ar
Cascata rugindo serra a desabar
Nuvens mareantes, tremores de terra
Estrondo de bombas, rumores de guerra
Que imite a zoada das águas do mar.

2 comentários:

Roserlei disse...

MARAVILHOSO!!!!!
O poder do MAR ....poeta... é indefinível indescritível.
...fui desde cedo acostumada a ouví-lo...sabendo sempre da sua força.
"O PLANETA TERRA É MAR!!!!!
PODER-PAZ-CALMARIA-EXPLOSÃO"

Hesdras Souto disse...

AVE MARIA...

Esses versos de Xudú são grande de mais homi.... Maior do que a Torre de Babel.... kkkkkkkkkkkkkkkkk

Bonitooo Poeta!!!