segunda-feira, 4 de agosto de 2008

Mestre Cabôco Paulo


Meu mestre Caboclo Paulo
O meu avô centenário
Fez a ultima viagem
Fechou seu itinerário
Deixou honra e fidalguia
Nobreza e sabedoria
Peças do seu inventário.

Nunca juntou numerário
A sua maior riqueza
Foi educar cinco filhos
Sem a menor tibieza
Reforçando seu legado
Como um cidadão honrado
Sua maior fortaleza.

Ao meu avô Antonio Sebastião de Menezes, Caboclo Paulo ou, simplesmente, Seu Cabôco, falecido no último dia 30 de julho de 2008, aos 102 anos, completos no último dia 13 de junho, que além de agricultor, motorista, mecânico, marceneiro e inventor, não fugiu a regra, em sendo do Pajeú, e também foi capaz de poesias;

Veja como são bem feitas
As obras da natureza
O espinho da macambira
Nasce pra sua defesa
Um pra traz, outro pra frente
Prevenindo a incerteza.

Sua benção Vô!!!

Um comentário:

Pedro Torres Filho disse...

Primo Poeta Jorge Filó,

Este foi um verso que vi construído de bate pronto com aspecto de poesia construía ao longo de muitas horas ou, quem sabe, dias de lapidação e polimento.

O esmero com que fizeste estas linhas reflete bem o amor que tinhas e ainda guardas contigo pelo nosso avô materno, gênio daqueles inesquecíveis em todos os momentos.

Parabéns pela belíssima criação, de fato veio a dignificar e honrar o nome de dois grandes homes, o teu pai, meu padrinho Manoel Filó e o meu e teu avô Cabôclo Paulo.

Deus te abençôe !

Pedro Torres.