segunda-feira, 11 de agosto de 2008

Mestres da poesia

João Pereira da Luz é o nome do poeta, cantador e repentista, mas conhecido como João Paraibano – no universo do repente, sem medidas, nem classificações. O repentista João, tem raras participações em material gravado, que não tenha sido feito de improviso, dada a sua verve em constante ebulição criadora. João é o adivinhão, como diz o Mestre das Artes da Paraíba Zé de Cazuza ou Aquele que tira de onde não tem e bota onde não cabe, como diria Pinto do Monteiro. Tudo que vier da lavra de João, terá nascido da musa inspiradora do repente, do improviso, o que não considero uma arte, e sim, uma dádiva, um bem. Não há como negar um dom. O ofício da arte, até pode ser uma escolha. Mas João Paraibano, exerce seu dom com a maestria de poucos. Vejam os exemplos;

Eu nasci num pé de serra
Num lugar muito esquisito
A geladeira era um pote
O guarda roupa um cambito
O transporte era um jumento
E o telefone era um grito.

Me criei com cuscuz e leite quente
Jerimum de fazenda e melancia
Com seis anos de idade eu já sabia
Quantas rimas se usava num repente
Fui nascido nas mãos da assistente
Na ausência dos olhos do doutor
Mamãe nunca fez sexo sem amor
Papai nunca abriu mão do seu direito
Obrigado meu Deus por ter me feito
Nordestino, poeta e cantador.

E por ai vai!!!

Um comentário:

Pedro Torres Filho disse...

Papai, Pedro Tunú, conta uma história engraçada de João Paraibano. Um dia foi a uma cantoria de João e outro parceiro que não me recordo agora e João andava liso que nem mussum e nesse dia fizeram um pé de parede e botaram um chapéu pra receber as gratificaões. Deixa que no final da cantoria els foram contar e o chapéu tava cheio de dinheiro, João feliz da vida, passou numa bodega onde comprava fiado seus cigarros frequentemente, falou em alta voz: ME DÁ UMA CARTEIRA DE HOLLYWOOD, À DINHEIRO !!! kkkkkkkkkkk

Eita poeta !

Pedro Torres.